logo novos estudos
sobre a novos estudos
e-mail: senha:
Busca
Acesso livre Todas as edições Conteudo virtual Envie seu artigo Ensaio visual
Última Edição
   92 - Abril de 2012
Capa
Índice
Seções
  - Opinião
  - Dossiê
  - Artigos
  - Críticas
Índice
Twitter @NovosEstudos
Julho de 2010
Confira os destaques da Novos Estudos 87
Joaquim Toledo Jr
Em 2010 de encerra mais um ciclo político no Brasil. A revista Novos Estudos preparou um dossiê de avaliação dos anos Lula (2003-2010) cobrindo temas como política industrial, educação, política externa, desenvolvimento sustentável, política racial e políticas sociais. O número 87 traz ainda artigos de Göran Therborn, Steve Shapin, Michael Fried e um ensaio visual da artista plástica Ana Prata.

INTERVENÇÃO

LUIS FELIPE DE ALENCASTRO:
O PECADO ORIGINAL DA SOCIEDADE E DA ORDEM JURÍDICA BRASILEIRAS. (Parecer apresentado no STF sobre política de cotas raciais).

DOSSIÊ: OS ANOS LULA (2003-2010)

GLAUCO ARBIX
CAMINHOS CRUZADOS: RUMO A UMA ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO BASEADA NA INOVAÇÃO
Nos últimos quinze anos, novas políticas de CT&I promoveram avanços institucionais importantes e colocaram o Brasil em uma rota ascendente. É forçoso reconhecer, porém, que a partir de 2003 há uma inflexão nas políticas públicas de CT&I. Um novo ativismo de Estado - distinto do dirigismo desenvolvimentista - colocou no centro da agenda os processos de inovação, tidos como essenciais para elevar o padrão de competitividade da economia. Há, no entanto, um longo caminho pela frente para que o país assuma uma estratégia de desenvolvimento baseada na inovação, resultante de uma nova sintonia entre a produção de C&T e os esforços do país para construir uma economia mais inovadora.

RUBENS RICUPERO
À SOMBRA DE DE GAULLE: POLÍTICA EXTERNA NO GOVERNO LULA

A atuação do governo Lula no campo da política externa resultou em avanços e retrocessos. De um lado, fatores como a estabilização econômica e política do país, em curso desde a redemocratização, ampliaram naturalmente a inserção do Brasil no cenário mundial. Por outro, ainda que bem sucedido em aproveitar esse capital político, o governo Lula parece tender a um estilo carismático e ideológico em suas ações de política externa, colocando em risco o caráter necessariamente institucional e impessoal da diplomacia.

FÁBIO WANDERLEY REIS
IDENTIDADE POLÍTICA, DESIGUALDADE E PARTIDOS POLÍTICOS BRASILEIROS
O artigo analisa o processo de institucionalização partidária no Brasil pós-redemocratização. A formação do Partido dos Trabalhadores, e seu repetido enfrentamento eleitoral com o PSDB, aponta para um processo em andamento mas ainda incompleto: a criação, em torno dos dois partidos, de identificações político-partidárias estáveis que podem eventualmente redundar num sistema partidário simplificado e consolidado, com, entre outras coisas, a neutralização do êxito até aqui obtido pela postura excessivamente clientelista e pragmática que orienta o fragmentário enraizamento regional do PMDB.

MÁRCIA LIMA
DESIGUALDADES RACIAIS E POLÍTICAS PÚBLICAS: AÇÕES AFIRMATIVAS NO GOVERNO LULA
O artigo ofecere um quadro dos principais programas e ações federais com recorte racial implantados durante o governo Lula, nas áreas de educação e saúde. Procura mostrar que essas mudanças são fruto de um processo político que antecede ao atual governo, embora aponte os momentos de inflexão na construção da agenda política, apresenta uma agenda pesquisa orinunda deste novo cenário e identifica questões a serem enfrentadas pelo debate intelectual.

RICARDO ABRAMOVAY
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: QUAL A ESTRATÉGIA PARA O BRASIL?
O sucesso brasileiro em reduzir as queimadas na Amazônia e o trunfo de sua matriz energética são importantes, mas nem de longe caracterizam uma dinâmica própria ao desenvolvimento sustentável. É verdade que o Brasil passou, nos últimos anos, por um processo expressivo de redução simultânea e inédita da pobreza e da desigualdade de renda. Os avanços nesta direção, entretanto, não se apoiam hoje em formas de crescimento econômico voltadas explicitamente a menor uso de energia e de materiais. O crescimento industrial brasileiro corre fortemente o risco de dissociar-se do que de mais avançado se faz hoje em termos internacionais.

RENATA MIRANDOLA
BICHIR O BOLSA-FAMÍLIA NA BERLINDA? OS DESAFIOS ATUAIS DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA.
O artigo explora alguns pontos de discussão em torno do Programa Bolsa Família, partindo de uma caracterização dos desenhos institucionais dos programas de transferência no Brasil, desde as experiências municipais até os programas federais Bolsa Escola e Bolsa Família. Ao final, discute-se os principais desafios na sustentabilidade futura do programa.

MARIA APARECIDA ABREU
EDUCAÇÃO: UM NOVO PATAMAR INSTITUCIONAL
O artigo oferece uma avaliação da política de educação do Governo Lula em seus dois mandatos (2003-2010). Para isso, em primeiro lugar, faz um breve diagnóstico do contexto educacional do país em 2002. Em seguida, analisa o primeiro (2003-2006) e o segundo (2007-2010) mandatos do presidente, quando o foco passa a ser o Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE. Na análise desse plano são examinados: (i) a concepção de política educacional que o sustenta; (ii) o seu significado institucional; (iii) o seu impacto na educação, a partir de dados numéricos. Por fim, aponta algumas perspectivas para a política educacional nos próximos anos.

EUNICE RIBEIRO DURHAM

ARTIGOS

GÖRAN THERBORN OS CAMPOS DE EXTERMÍNIO DA DESIGUALDADE
A desigualdade pode ser produzida de quatro formas básicas. Primeiro, há o distanciamento - algumas pessoas estão correndo à frente e/ou outros estão ficando para trás. Em segundo lugar, há o mecanismo de exclusão - através do qual uma barreira é erguida tornando impossível, ou pelo menos mais difícil, para certas categorias de pessoas alcançarem uma vida boa. Terceiro, as instituições da hierarquia significam que as sociedades e organizações são constituídas como escadas, com algumas pessoas empoleiradas em cima e outras embaixo. Finalmente, há a exploração, através da qual as riquezas dos ricos derivam do trabalho árduo e da subjugação dos pobres e desfavorecidos.

STEVE SHAPIN
O SHOW DE DARWIN
As comemorações dos 200 anos de nascimento de Charles Darwin revelaram menos sobre a figura histórica do cientista vitoriano do que sobre o lugar da ciência e do cientista na cultura moderna. Neste artigo, o historiador da ciência Steve Shapin explora os eventos do "Dia de Darwin" e a produção recente sobre o "pai da teoria da evolução" com a intenção ligá-los à recepção contemporânea da obra (e da figura) de Charles Darwin.

MICHAEL FRIED
ABSORTO NA AÇÃO
O filme Zidane, um retrato do século XXI, de Douglas Gordon e Philippe Parreno (2006) pertence à tradição de absorção que desempenhou um papel crucial na evolução da arte moderna. O autor explora a tensão entre absorção e teatralidade - central tanto para a pintura francesa do século XVIII quanto para a fotografia do século XX e XXI - e tira consequências estéticas e filosóficas do filme que retrata, ao longo de todos os noventa minutos de uma partida de futebol, o meio-campista francês Zinedine Zidane.

CRÍTICA|RESENHA

ARQUITETURA ARRUINADA: EXPOSIÇÃO DE GORDON MATTA-CLARK NO MAM-SP, POR GUILHERME WISNIK

PARTICIPATORY INSTITUTIONS IN DEMOCRATIC BRAZIL, DE LEONARDO AVRITZER, POR WAGNER ROMÃO

POEMAS
AIRTON PASCHOA

ENSAIO VISUAL
ANA PRATA

TEXTOS SELECIONADOS
Arquitetura da participação e controles democráticos no Brasil e no México A multiplicação de experiências participativas visando ampliar o controle social sobre políticas e políticos tornou‑se fenômeno relevante no Brasil e mundo afora. Neste artigo é apresentado um quadro analítico útil à comparação da diversidade da inovação democrática enquanto arquitetura da participação orientada para o controle social. Mediante a aplicação desse quadro, examinamos a configuração de duas arquiteturas contrastantes, originárias de dois contextos nacionais distintos: México e Brasil. Por Ernesto Isunza Vera e Adrian Gurza Lavalle.
Mademoiselle e o desejoA partir de ensaio de Luiz Dantas, uma análise do conto "Atrás da catedral de Ruão", de Mário de Andrade, seus paralelos com Amar, verbo intransitivo e os temas de paixão, desejo e repressão. Por Vilma Arêas
In memoriam: Juarez Brandão Lopes (Elza Berquó)
Pulso Comunicação
Sobre a novos estudos | Expediente | Contato | Assine! | Acesso livre | Todas as edições | Conteúdo virtual | Envie seu artigo | Adquira um exemplar